Melasma tem cura?

Dr. Angelo Bannack

Atualizado há 5 meses

Melasma é a formação de manchas na pele, mais comum nas mulheres e principalmente na região do rosto e em outras áreas expostas ao sol. É uma condição que não traz outros problemas para a saúde além da questão estética. O que já é um grande problema. Neste artigo eu explico um pouco mais sobre o melasma, além de apontar como é feito o diagnóstico, o que fazer para evitar, quando se preocupar e como tratar.

Boa leitura.

O que é o melasma?

O melasma é um problema de formação de manchas escurecidas na pele, devido a excesso de melanina.  É mais comum em mulheres e aflige principalmente regiões do corpo expostas ao sol, em especial o rosto. As manchas são normalmente irregulares (sem formato definido, nem redondas, nem ovais), com cor em tons de marrom e afetam os dois lados do rosto de forma simétrica.

Além da predisposição genética, os principais responsáveis por essas manchas são a gestação, uso de terapias a base de hormônios – incluindo anticoncepcional, e exposição solar.

Medicamentos anticonvulsivantes além da deficiência de zinco também podem contribuir para a condição.

As manchas que aparecem durante a gestação têm alguma chance de desaparecer alguns meses após o parto sem necessidade de tratamento. O mesmo não acontece com aquelas relacionadas ao uso de anticoncepcionais ou outros hormônios.

O melasma não é cancer e nem tem outra doença associada. O principal problema é a questão estética, que afeta o psicológico e a qualidade de vida das pessoas especialmente com manchas mais acentuadas.

Já adianto que não é uma condição fácil de tratar. As manchas até suavizam com o tratamento, mas costuma voltar na maioria das vezes.

Como é feito o diagnóstico do melasma?

O diagnóstico é feito pelo médico de família, clínico geral ou dermatologista apenas pela história do aparecimento das manchas, bem como das localizações típicas, principalmente no rosto. Nenhum exame de sangue ou de imagem é necessário.

Em alguns casos o médico pode utilizar uma espécie de lupa que aumenta a visão das manchas, chamado de dermatoscopio. Uma luz azul, chamada de lâmpada de Wood também pode eventualmente ser utilizada.

Além disso, em casos muito específicos onde haja dúvidas sobre as manchas, uma biópsia da pele pode ser realizada. Ela consiste em tirar um pequeno pedacinho da pele onde tem a mancha, normalmente com um aparelho chamado de “punch”. Essa pele é então observada num microscópio para uma avaliação mais criteriosa. Mas pode ficar tranquilo que um exame raramente necessário.

Quando procurar ajuda?

A grande preocupação em relação às manchas de pele é em diferenciar uma mancha benigna, como o melasma, do câncer de pele.

Manchas que aparecem na pele de uma hora para outra, ou ainda em casos de manchas que só estão presentes em um lado do corpo ou do rosto e não do outro, ou manchas que se tornam feridas e que não cicatrizam, podem necessitar de uma avaliação cuidadosa.

A regra do ABCDE pode ser utilizada para verificar se uma mancha única e isolada tem alguma possibilidade de ser algo mais grave:

  • Assimetria: Lesões que ao serem divididas ao meio por uma reta imaginária não formam duas metades iguais. 
  • Bordas: Bordas irregulares.
  • Cor: Mais de uma cor na mesma mancha.
  • Dimensão: Maior do que 6mm no diâmetro.
  • Evolução: Alteração no tamanho, cor ou formato. Ou ainda o aparecimento de uma nova lesão ou mancha.

Na presença de 2 ou mais desses critérios numa mesma mancha ou lesão, recomenda-se procurar um dermatologista para avaliar a necessidade de uma biópsia. Mas lembre-se que manchas, mesmo grandes, com bordas irregulares e assimétricas no formato, mas que estão dos dois lados do rosto de forma semelhante, são provavelmente melasma.

Para saber mais leia meu artigo sobre o câncer de pele.

Tem como evitar?

A genética tem um caráter importante no melasma. Se um de seus pais têm melasma, a chance de você ter também aumenta muito.

Evitar uso de anticoncepcionais e outros hormônios, se possível, pode ajudar.

Além disso, usar protetor solar diariamente, independentemente de se expor ao sol, pode ajudar na prevenção de quem têm propensão à formação de melasmas.

Como tratar o melasma?

Infelizmente não existe um tratamento único e bem estabelecido por estudos científicos. A maioria dos tratamentos são baseados em opinião de especialistas no assunto.

O uso do protetor solar é consenso de que deve ser utilizado para prevenir e evitar a piora das manchas. Protetores com FPS 50 ou maiores são recomendados. O ideal é que o creme seja reaplicado a cada 2 ou 3 horas em caso de exposição ao sol. Veja as recomendações sobre a quantidade a ser utilizada e a forma de usar em meu artigo sobre o filtro solar.

Além disso, o tratamento mais comum é com um creme a base de hidroquinona. A hidroquinona é um clareador da pele. Ele também acaba atuando como um protetor solar de proteção leve e por isso pode ser usado inclusive no verão.  Normalmente é aplicado 2 vezes ao dia.

Em alguns casos mais severos é necessário usar um creme contendo a hidroquinona e outros dois compostos: tretinoína e fluocinolona acetonida. Este creme deve ser aplicado somente à noite e não deve ser usado no verão, pelo risco de piorar as manchas em contato com o sol. 

Dependendo do caso o tratamento precisa ser feito por vários meses para ter algum benefício.

Se o tratamento não funcionar, o médico pode indicar seções de peeling químico, tratamento a laser ou ainda um medicamento para tomar chamado ácido tranexâmico. Este medicamento tem risco de formar coágulos no sangue e só deve ser usado se os riscos forem menores do que os benefícios e sob estrito acompanhamento médico.

Além disso, o uso de maquiagem para camuflar o melasma pode ajudar. Dê preferência para maquiagens à base de óxido de zinco, óxido de ferro e dióxido de titânio, pois além do efeito cosmético também atuam como protetor solar. As maquiagens podem ser utilizadas durante e depois do tratamento com os cremes.

E nunca é demais lembrar: Jamais use qualquer medicamento, incluindo cremes na pele, sem a indicação de seu médico

Conclusão

O melasma é a formação de manchas na pele, mais comum em mulheres e em regiões expostas ao sol. Ele não traz nenhuma outra consequência além da questão estética. Não é necessário realizar nenhum exame específico, sendo diagnosticado numa simples consulta médica. O uso do protetor solar é fundamental, de preferência com FPS 60 ou maior no rosto. Seu uso deve ser diário. O tratamento nem sempre é simples e alguns cremes à base de hidroquinona podem ser utilizados. Peeling químico e tratamento à laser são outras opções. Maquiagens à base de óxido de zinco, óxido de ferro e dióxido de titânio são recomendadas para camuflar as manchas pois também atuam como protetor solar.

Espero que tenha gostado do artigo. Se ficou com dúvidas comente aqui ou nas redes sociais.

Até a próxima.

Dr. Angelo Bannack - Médico de Família

Dr. Angelo Bannack

Sou um médico que gosta de escrever, curte tecnologia e que valoriza a ciência como o caminho para a nossa evolução. Como Médico de Família, atendo em meu consultório particular em Curitiba e em consultas domiciliares, ajudando as pessoas a manterem-se saudáveis, com check-ups regulares, orientações e contribuindo no processo de diagnóstico e tratamento da grande maioria dos problemas de saúde.

Escreva um comentário