Dor de cabeça: quando se preocupar?

Dr. Angelo Bannack

Atualizado há 6 meses

A dor de cabeça ou cefaleia é uma das queixas mais comuns no consultório. Na maioria das vezes não é uma condição grave, mas é algo que pode incomodar muito. Muitas pessoas conseguem resolver o problema com o uso de analgésicos simples, mas isso nem sempre acontece. Em raras vezes a dor de cabeça pode ser sinal de uma condição mais grave que necessita de investigação mais apurada.

Este artigo explica os principais tipos de dor de cabeça, suas diferenças, as formas de tratamento e informa quando se preocupar e procurar ajuda.

Boa leitura.

*Prefere assistir? O conteúdo deste artigo também está disponível no vídeo abaixo. 

Vídeo: DOR DE CABEÇA: como EVITAR e quando procurar AJUDA

DOR DE CABEÇA? Pode ser GRAVE! Saiba quando você precisa procurar ajuda.

Tipos de dor de cabeça

Existem algumas dezenas de tipos de dor de cabeça, sendo que as do tipo tensional e enxaqueca são disparadas as mais comuns. Em terceiro lugar está a dor de cabeça em salvas que é bem mais rara do que as duas primeiras, porém mais comum que os demais tipos. 

Tensional

A cefaleia do tipo tensional é aquela que normalmente se apresenta com uma pressão nos dois lados da cabeça ou do pescoço. Além disso ela apresenta as seguintes características:

  • A dor não piora com atividade física (caminhada, corrida).
  • A luz intensa e barulhos não incomodam e não pioram a dor.
  • Normalmente é percebida como uma sensação de aperto ou pressão.
  • Pode durar de 30 minutos até uma semana! Sim, uma semana!
  • Normalmente não tem nenhum outro sintoma associado, como nausea ou vômito.

Enxaqueca

A enxaqueca é um tipo de dor de cabeça com sintomas mais severos. As características a seguir são comuns:

  • A dor piora com a luz, barulho ou movimentos. A pessoa prefere ficar no escuro e em silêncio.
  • Costuma ter um padrão pulsátil, aumentando de intensidade com o passar das horas.
  • É possível que a enxaqueca venha acompanhada de nauseas e vômitos.
  • Algumas pessoas podem ter alguns sintomas 1 ou 2 dias antes da crise de enxaqueca, tais como:
    • Humor depressivo;
    • Irritabilidade;
    • Euforia;
    • Compulsão alimentar;
    • Intestino preso (constipação);
    • Rigidez no pescoço.
  • A enxaqueca pode ser precedida de aura, que incluem sintomas de visualizar pequenos flashes de luz, alterações na visão, sensação de formigamento nos dedos, lábios ou língua.
  • A dor costuma ser de um lado da cabeça apenas, mas também pode atingir a cabeça toda, e ainda mudar de lado em novas crises. 
  • Normalmente dura de 4 a 72 horas.

Em salvas

A dor de cabeça em salvas é normalmente descrita como a pior dor da vida. Entre suas características se destacam:

  • Início rápido e em máxima intensidade.
  • Dor sempre em apenas um lado da cabeça e muitas vezes ao redor de um olho ou na região lateral da testa.
  • Costuma durar de 15 minutos a 3 horas.
  • É possível ter várias crises durante um mesmo dia.
  • Pode ter outros sintomas associados:
    • Lacrimejamento do mesmo lado da dor;
    • Olho avermelhado do mesmo lado da dor;
    • Saída de secreção do nariz;
    • Suor;
    • Palidez.
  • Quem tem cefaleia em salvas pode ter familiares com a mesma condição.
  • Bebida alcoólica pode desencadear as crises.

Outros tipos

Existem inúmeros outros tipos de dor de cabeça, a maioria relacionada a alguma outra condição, como por exemplo:

  • Traumas
  • Sinusite
  • Artrite
  • Atividade sexual
  • Tosse
  • Frio
  • Infecção
  • Gestação
  • Tumor cerebral

Todas são bem mais raras e cada uma tem suas particularidades. Não são escopo deste artigo.

A pressão alta muitas vezes é descrita pelos pacientes como causa de dor de cabeça. O mais comum é verificar o oposto. Dores costumam levar ao aumento da pressão arterial, incluindo a cefaleia. Algumas pessoas medem sua pressão apenas quando estão com dor de cabeça e na verdade a pressão está elevada devido à dor de cabeça ou porque a pessoa tem a doença hipertensão arterial e não sabe.

Como é feito o diagnóstico da dor de cabeça?

Na maioria das vezes não é necessário nenhum tipo de exame para fazer o diagnóstico de dor de cabeça e descartar situações de gravidade. Uma conversa com o médico, que irá explorar os sinais e sintomas, duração, tipo de dor, entre outros, é normalmente suficiente para determinar o tipo de dor de cabeça e determinar o tratamento.

O médico pode também realizar um exame físico (ouvir o coração e o pulmão, palpar o abdome, pesar, medir altura, verificar pressão arterial, entre outros), que costuma ser completamente normal.

Além disso, a realização de exames como tomografia computadorizada ou ressonância magnética da cabeça não é indicada na esmagadora maioria dos tipos de cefaleia, sendo apenas desperdício de dinheiro além de poder levar à iatrogenia. É claro que diante de alguns sinais de alarme, o médico pode solicitar algum desses ou outros exames para descartar causas graves e secundárias de dor de cabeça.

Quais os tratamentos?

O tratamento varia conforme o tipo, a frequência, os sintomas associados e a gravidade.

Tensional

A cefaleia tensional costuma responder bem a analgésicos simples (paracetamol ou dipirona) e anti-inflamatórios (ibuprofeno, naproxeno, diclofenaco). A combinação de analgésicos com cafeína costuma potencializar o efeito destes, podendo levar a um maior alívio para algumas pessoas. Pessoas com gastrite ou problemas nos rins, não devem fazer uso de anti-inflamatórios, a menos que indicado e supervisionado por seu médico, em doses baixas e por tempo curto.

Enxaqueca

A enxaqueca pode ser um desafio para tratar. O uso de analgésicos simples e anti-inflamatórios costumam ser a primeira escolha e tendem a funcionar melhor se tomados logo no aparecimento dos primeiros sinais da enxaqueca, antes da dor aparecer.

Quando a dor não é controlada com esses medicamentos, o médico pode prescrever remédios da classe dos triptanos. Os triptanos são medicamentos de uso controlado e não devem ser tomados sem indicação médica. Eles são contraindicados para gestantes, alguns casos de pressão alta ou pessoas com histórico de problemas cardíacos ou AVC/derrame. Existe ainda uma outra classe de medicamentos chamados de ergotaminas, que podem ser utilizados em alguns casos de enxaqueca que não respondem aos demais tratamentos.

Os sintomas associados a enxaquecas, como nauseas e vômitos podem ser tratados com medicamentos antieméticos, se necessário.

Em salvas

Curiosamente a cefaleia em salvas costuma melhorar com o uso de oxigênio aplicado com a ajuda de uma máscara facial por cerca de 20 minutos. Se isso não ajudar os triptanos são a melhor escolha. Neste caso a medicação é aplicada diretamente na veia em ambiente hospitalar ou unidade de pronto atendimento. Uma vez melhorado é comum o médico prescrever um medicamento corticoide, por um curto período, de forma a evitar nova crise de cefaleia em salvas. Corticoides não devem ser tomados por muitos dias, sob o risco de trazer sérios problemas para a saúde.

Tem prevenção?

A primeira intervenção para prevenir as dores de cabeça são as mudanças de estilo de vida, entre elas:

  • Bons hábitos noturnos, com realização de higiene do sono;
  • Alimentação saudável, evitando comidas gordurosas e pesadas e em pouca quantidade, com várias refeições durante o dia, com café, almoço, janta e um lanche leve entre elas.
  • Atividade física regular, de preferência exercícios aeróbicos (que aumentam a velocidade do coração), como caminhada, natação, corrida entre outras.

A cefaleia tensional, quando muito recorrente, pode em alguns casos ser prevenida com uso de antidepressivos, especialmente os chamados tricíclicos, normalmente em doses mais baixas do que as utilizadas para tratar depressão.

Para casos de enxaqueca recorrentes, com múltiplas crises por mês que não cedem com analgésicos simples ou outros tratamentos, o médico pode prescrever medicações como betabloqueadores, bloqueadores de canais de calcio, antidepressivos ou ainda anticonvulsivantes. Alguns casos difíceis de tratar podem mostrar melhora com aplicação de toxina botulínica – o famoso botox -, que paralisa os músculos da região aplicada por algumas semanas ou meses e pode ajudar a evitar as crises, porém não é de forma alguma a primeira escolha de tratamento.

O uso de um tipo específico de bloqueador de canal de cálcio pode ajudar a prevenir a cefaleia em salva.

O uso abusivo de medicações para tentar amenizar a dor podem acabar tendo efeito oposto, agravando as crises. Por isso, nunca é demais lembrar: somente tome medicamentos indicados e prescritos por seu médico de confiança.

E se os tratamentos não funcionarem?

Se nada funcionou, algumas pessoas podem se beneficiar de outros tipos de tratamentos, como acupuntura ou psicoterapia, especialmente a terapia cognitivo comportamental. 

Quando uma dor de cabeça pode ser algo grave?

A grande maioria das dores de cabeça não ameaça a vida e são “apenas” sintomas que incomodam, e incomodam muito. Porém, alguns casos podem ser graves e necessitar de uma avaliação com seu médico ou em um pronto atendimento, são elas:

  • Presença de outros sintomas associados com a cefaleia, incluindo febre.
  • História de câncer diagnosticado.
  • Confusão mental ou perda da consciência.
  • Início abrupto.
  • Início da cefaleia após os 50 anos de idade.
  • Mudança de padrão – cefaleia que tinha um jeito e de repente mudou completamente.
  • Que é disparada com a mudança de posição.
  • Precipitada por tosse, espirro ou exercício.
  • Que aumenta de intensidade com o passar do tempo ou que se manifeste de maneira completamente diferente do usual.
  • Gravidez e puerpério (40 dias após o parto).
  • Início após trauma/acidente.
  • Presença de doença do sistema imune como HIV/Aids ou outra.
  • Cefaleia em pessoas que fazem uso abusivo de analgésicos.
  • Desencadeada pelo uso de um novo medicamento.

Conclusão

A dor de cabeça ou cefaleia é um sintoma muito comum no consultório médico. Existem inúmeros tipos, sendo os mais comuns a cefaleia tensional, enxaqueca e em salvas. O diagnóstico na maioria das vezes não necessita de exames avançados, sendo realizado simplesmente durante uma consulta médica. O tratamento envolve medicações como analgésicos e anti-inflamatórios, mas também mudança de estilo de vida, com alimentação saudável, exercício físico regular e bons hábitos de sono. Na presença de sintomas de gravidade, como febre, mudança de padrão, dor de cabeça que inicia após os 50 anos, histórico de cancer ou trauma recente, um médico deve ser consultado imediatamente.

Espero que o artigo tenha sido útil.

Se ficou com dúvidas ou tem alguma sugestão, crítica ou elogio, escreva nos comentários abaixo ou nas redes sociais.

Abraços e até a próxima.

Dr. Angelo Bannack - Médico de Família

Dr. Angelo Bannack

Sou um médico que gosta de escrever, curte tecnologia e que valoriza a ciência como o caminho para a nossa evolução. Como médico de família, atendo em meu consultório particular em Curitiba e em consultas domiciliares, ajudando as pessoas a manterem-se saudáveis, com check-ups regulares, orientações e contribuindo no processo de diagnóstico e tratamento da grande maioria dos problemas de saúde.

Escreva um comentário