Gripes e resfriados: tem diferença?

Dr. Angelo Bannack

Atualizado há 1 mês

Gripes e resfriados são doenças muitas vezes chamadas simplesmente de gripes. Elas aparecem principalmente no inverno e têm sintomas comuns, porém são causadas por vírus diferentes. Para uma delas tem vacina anual, para a outra não. Nesse artigo vou te apresentar quais as diferenças entre elas, os principais sintomas, quando é importante procurar ajuda médica e o que você pode fazer para evitá-las.

Boa leitura.

*Prefere assistir? O conteúdo deste artigo também está disponível no vídeo abaixo. 

Vídeo: GRIPE e RESFRIADO: tem diferença?

GRIPE ou RESFRIADO? Descubra por que a VACINA não te protegeu

O que são gripes e resfriados?

Apesar de quase todo mundo (incluindo os médicos) usar o termo gripe para se referir aquela dor de garganta, tosse e nariz escorrendo que aparecem no inverno, gripe e resfriado são duas doenças muito parecidas, porém não são exatamente a mesma coisa. 

Ambas são causadas por vírus. A principal diferença está no tipo de vírus e eventualmente na gravidade dos sintomas que eles causam.

Gripes

A gripe costuma ter sintomas mais graves (porém pode ter sintomas tão brandos quanto os de um simples resfriado) e é causada pelo vírus influenza. Existem pelo menos 3 tipos de vírus influenza conhecidos que podem causar gripe em humanos: A, B e C. Sendo o tipo A disparado o mais comum. Existe ainda o tipo D mas que até o momento só foi detectada em animais. 

Para complicar um pouco mais, o vírus influenza do tipo A possui diversos subtipos. Os mais comuns no momento são o H1N1 e o H3N2. Já o tipo B possui 2 subtipos conhecidos: Victoria e Yamagata. Por serem os subtipos mais comuns, são essas 4 cepas (H1N1, H3N2, Victoria e Yamagata) que normalmente fazem parte da vacina contra a gripe. A vacina pode ter variações todos os anos conforme a circulação do tipo de vírus no momento.

Resfriados 

Já os resfriados são causados por mais de 200 tipos de vírus! Os mais comuns são os do tipo rinovírus, que por sua vez possuem mais de 100 subtipos. Os rinovirus causam cerca de metade dos casos de resfriados. Outros tipos de vírus que causam resfriados, em ordem de prevalência, são:

  • Coronavirus: não a linhagem SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, mas sim outras linhagens como SARS-CoV e MERS-CoV.
  • Virus Sincicial Respiratório (VSR)
  • Virus Parainfluenza
  • Adenovirus
  • Enterovirus
  • Metapneumovirus

Praticamente não existem vacinas para esses vírus que causam resfriados. O FDA (órgão de saúde americano) liberou em 2023 uma vacina contra o VSR, que é indicada para idosos. Essa mesma vacina foi liberada no Brasil no final de 2023, porém só está disponível na rede particular.

Um dos motivos para a falta de vacinas contra os vírus causadores dos resfriados é sua baixa taxa de mortalidade. Outro motivo é o excesso de tipos de vírus que causam a doença. Mas seria ótimo se existissem vacinas que nos impedisse de pegar um simples resfriado.

Ficamos resfriados várias vezes durante a vida. Algumas pessoas todo ano. Outras mais de uma vez no mesmo ano. Isso acontece devido à grande variedade de virus, seus inúmeros subtipos, aliado ao fato de não termos vacinas para eles. Outro problema é que pegar um resfriado nos confere imunidade apenas temporária. Você fica protegido por alguns meses apenas. No inverno seguinte pode se reinfectar.

Para adultos esses vírus são autolimitados e causam apenas o resfriado. Porém, em crianças pequenas eles podem complicar para doenças como bronquite, pneumonia, meningite e crupe.

Como se transmite?

A transmissão é principalmente pelo contato com o vírus oriundo de secreções nasais de uma pessoa contaminada. E o principal meio de transmissão são as mãos. Pessoas contaminadas estão sempre com o nariz escorrendo, o que as obriga as vezes a levar a mão até o nariz. A mão acaba contaminada e ao cumprimentar outras pessoas (hábito mais do que comum em nosso meio) acaba-se transmitindo o vírus para a mão de outra pessoa. Se a mão com o vírus coça o nariz, por exemplo, o vírus se aproveita para entrar no corpo e fazer mais uma vítima.

O contato com superfícies contaminadas além do contato com os vírus presentes no ar, oriundo de tosses ou espirros, também ajuda no contágio.

Apesar de não haver evidências definitivas, o ar frio do inverno parece ter influência no ressecamento das mucosas nasais, diminuindo a proteção natural do interior do nariz e favorecendo a contaminação.

Algumas pesquisas tentam colocar a culpa na redução da vitamina D durante o inverno, devido a termos menos exposição ao sol nessa época do ano. Mas o fato é que ainda não se tem uma certeza definitiva de porque o frio aumenta os casos de gripe. A aglomeração de pessoas e os ambientes menos ventilados durante o inverno ainda parecem ser as melhores explicações. 

Pessoas com gripe continuam transmitindo o vírus por cerca de 7 dias do início dos sintomas ou até 24 horas depois da resolução da febre sem uso de medicação antitérmica. Elas devem se afastar do contato com outras pessoas por esse período, o que for maior. Isto é, se no sétimo dia você ainda tem febre, mantenha o isolamento até que fique um dia inteiro sem febre e sem uso de antitérmico.  

Quais os sintomas das gripes e resfriados?

Uma vez em contato com o vírus pode levar de 24 a 72 horas para os sintomas se manifestarem.

Os sintomas tanto do resfriado quanto da gripe duram de 3 a 10 dias, podendo chegar a 2 semanas em alguns casos. Nariz escorrendo ou trancado é o principal deles. Outros sintomas comuns incluem dor de garganta, tosse, dor no corpo e mal-estar geral. No resfriado, a febre não é muito comum nos adultos, mas pode estar presente principalmente em crianças.

Já no caso da gripe, além dos sintomas do resfriado, é comum também a presença de febre, dor no corpo e dor de cabeça. Além disso, os sintomas da gripe costumam ser mais fortes e intensos do que os do resfriado.

Tanto a gripe quanto o resfriado podem complicar com o passar dos dias, sendo as principais complicações:

  • Rinosinusite: Uma inflamação dos seios nasais (cavidades que temos nos ossos do rosto), que podem apresentar secreção amarelada ou esverdeada e muita dor na cabeça.
  • Pneumonia: Em alguns casos o vírus pode atingir os pulmões, causando falta de ar e/ou chiado no peito.
  • Otite média: É a inflamação do ouvido. A secreção acumulada no nariz pode vir a trancar o canal que liga o ouvido ao nariz, favorecendo a proliferação dos vírus e causando muita dor em um ou nos dois ouvidos. Associação com bactérias também pode ocorrer.
  • Exacerbação de asma ou DPOC: Pessoas que têm doenças nos pulmões podem ter uma piora da doença já existente, sendo muitas vezes necessário tratamento em um hospital.

No caso da gripe podem acontecer complicações mais graves como pneumonias severas causadas por fungos e bactérias, além de acometimento do sistema nervoso central, provocando convulsões ou meningite e ainda infecções no coração (miocardite e pericardite). E esse é um dos muitos motivos de termos vacinas contra a gripe.

Como é feito o tratamento das gripes e resfriados?

Tanto a gripe quanto o resfriado são doenças normalmente autolimitadas. Isto é, elas vão curar independente do tratamento. Você pode ir ao médico, na benzedeira, fazer simpatia, tomar vitaminas, chás ou simplesmente não fazer nada. O resultado será o mesmo: a cura da doença depois de uma ou duas semanas.

É claro, algumas medicações ajudam no alívio dos sintomas. Analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios podem ser úteis para reduzir a dor de garganta, a febre ou a dor no corpo. Alguns poucos medicamentos podem ajudar na tosse.

Só tenha em mente que crianças menores de 6 anos não tem indicação de usar xaropes, principalmente devido aos efeitos sedativos e tóxicos desses compostos. Prefira mel para crianças maiores de 1 ano.

O mais importante é se manter hidratado e manter o nariz limpo. A simples lavagem do nariz com 1 ou 2 jatos de soro fisiológico em cada narina, várias vezes ao dia, ajuda a manter os seios nasais limpos e evitar algumas complicações.

Em alguns casos selecionados, como gestantes, idosos ou pessoas com doenças graves, o médico pode receitar antivirais como o oseltamivir (tamiflu). Mas essa medicação tem alguma vantagem (ainda que modesta) somente se iniciada nas primeiras 48 horas do início dos sintomas e na suspeita ou confirmação de gripe (causada pelo vírus influenza). 

Preciso de antibiótico?

Na maior parte das vezes você não vai precisar de antibióticos. Antibióticos matam bactérias, não vírus!

Além disso, antibióticos podem causar efeitos colaterais como enjoos, vômitos, diarreias, reações alérgicas, danos no sistema nervoso, em tendões, entre muitos outros. Eles acabam bagunçando o balanço de bactérias que temos em nosso intestino e também na pele, podendo favorecer outras doenças.

Além disso, o uso inadequado de antibióticos – por pouco tempo ou em doses inadequadas – pode acabar favorecendo a seleção de bactérias resistentes, para as quais somente antibióticos mais fortes (e também com maiores efeitos colaterais) vão ser capaz de eliminá-los. O risco maior é o de favorecer alguma bactéria para o qual não tenhamos antibióticos capazes de eliminá-la.

E não menos importante: antibióticos custam caro e não há motivos para gastar dinheiro com algo que não vá te trazer benefícios.

Mas é claro que você pode precisar de antibióticos para alguns casos.

A doença pode evoluir para sinusite, infecção dos ouvidos (otite média) ou até pneumonia. E nesses casos talvez você se beneficie dos antibióticos.

Quando procurar um médico?

As vezes as coisas não vão bem e é necessário procura ajuda. As principais situações em que você deve ir ao médico são:

  1. Se você tiver sintomas de gripe ou resfriado que se mantenham por mais de 10 dias.
  2. Se você melhore dos sintomas, mas de repente piore repentinamente.
  3. Se você tiver febre (temperatura da axila maior ou igual a 37,8º C) por 3 ou mais dias acompanhada de:
    1. Dor na face ou dor de cabeça.
    2. Tosse, dor no peito ou sensação de falta de ar (aliás, falta de ar por si só já é motivo para procurar um médico urgentemente).
  4. Se você se sentir muito doente, com febre e dor forte no corpo. 

E por último, febre em crianças menores de 3 meses pode indicar uma infecção mais grave e nesse caso, devem ser levadas ao médico o quanto antes.

O diagnostico dessas doenças é baseado na anamnese (conversa do médico com o paciente) e exame físico (ausculta dos pulmões, avaliação da garganta, dos ouvidos, entre outros). Raramente são necessários exames. O teste da covid pode ser pedido para diferenciar de gripe ou resfriado. Existem testes para detectar o vírus influenza, porém eles têm aplicação mais no contexto de internamento hospitalar ou gravidade da doença. Pois ambas as doenças costumam ser limitadas e se resolverem sozinhas. Saber o tipo de vírus não muda o tratamento ou os cuidados.

Outros testes como radiografia da face ou tomografia do peito trazem poucas informações e não costumam ser pedidos.

Tem como evitar se contaminar?

Algumas precauções que podem ajudar:

  • Lavar as mãos ou passar álcool em gel sempre que cumprimentar alguém ou tocar em alguma superfície.
  • Usar máscaras de proteção facial sempre que tiver com sintomas gripais. 
  • Se estiver com sintomas, o ideal é se afastar de suas atividades até a melhora. Mas eu sei que culturalmente isso não é comum em nosso meio.
  • Vacinar-se!

Vacina para Gripe

A vacina só está disponível para a GRIPE, que é justamente a forma mais grave dessas doenças. Ela precisa ser tomada todos os anos, pois não confere proteção definitiva. Ficar com gripe também não lhe confere imunidade permanente. Além disso, outras cepas virais podem estar circulando e a vacina é ajustada para isso todo ano.

A vacina para gripe disponível no SUS protege contra as 3 principais cepas em circulação (trivalente): duas para a influenza do tipo A (normalmente H1N1 e H3N2) e uma para uma das variantes do tipo B (Victoria ou Yamagata). A vacina que se encontra na rede privada protege contra as duas cepas do tipo A e as duas variantes do tipo B (tetravalente).

A cepa B é menos comum e ambas as vacinas são ótimas (particular ou SUS). De qualquer forma a Sociedade Brasileira de Imunização aponta que é provável que a vacina tetravalente acabe sendo incorporada ao SUS nos próximos anos.

A vacina da gripe é indicada para todas as pessoas a partir dos 6 meses de idade e deve ser tomada anualmente. Pelo SUS as campanhas normalmente priorizam crianças, idosos e pessoas de maior risco, tanto para contágio quanto para complicações.

Fique de olho nas campanhas que são divulgadas no período que antecede o inverno e vacine-se! 

A vacina contra o covid-19 também deve ser aplicada de acordo com o calendário vacinal atualizado periodicamente.

E mesmo que você tome a vacina da gripe ou da covid-19, pode ainda pegar resfriado, porque são causados por vírus diferentes, lembra?

Ah, e não deixe de ler meu artigo sobre as vacinas indicadas para adultos e idosos.

Mitos sobre as gripes e resfriados

Alguns mitos comuns sobre gripes e resfriados:

  • Frio não causa gripe nem resfriado. Umidade também não. Você deve levar uma blusa quando está frio, mas apenas para se aquecer. É o contato com pessoas doentes em ambientes fechados que favorece você a se contaminar com o VÍRUS.
  • Vitamina C não cura gripe e nem a previne. Esse mito parece ter surgido com o pesquisador Linus Pauling – que escreveu um livro em 1970 sobre o tema – e defendia que a vitamina C em altas doses protegia de gripes e câncer. Ele faleceu de câncer da próstata aos 93 anos de idade. 
  • A cor da secreção do nariz não indica infecção por bactéria. Vírus podem deixar a secreção amarelada ou esverdeada também.
  • Antibióticos matam bactérias e não vírus.
  • Não existe gripe nem resfriado bacteriano!
  • Canja de galinha pode te ajudar a manter-se hidratado e bem alimentado, medidas essenciais para manter seu corpo saudável.

Conclusão

As gripes e resfriados são muito comuns principalmente no inverno. Elas são transmitidas por vírus. Os sintomas são parecidos, mas os da gripe podem ser mais graves. A transmissão ocorre principalmente com o contato com o vírus através das mãos contaminadas. Lavar as mãos ou usar álcool em gel sempre que tenha contato com alguém ou alguma superfície pode ajudar a evitar a contaminação. Se a gripe não melhorar depois de alguns dias, se você estiver se sentindo muito doente, ou tenha alguma doença pulmonar conhecida, procure um médico. E lembre-se de que antibióticos combatem apenas bactérias. E as gripes e resfriados são causadas por vírus! Vacine-se!

Espero que tenha gostado do artigo.

Se tiver dúvidas comente aqui ou nas redes sociais.

Dr. Angelo Bannack - Médico de Família

Dr. Angelo Bannack

Sou um médico que gosta de escrever, curte tecnologia e que valoriza a ciência como o caminho para a nossa evolução. Como médico de família, atendo em meu consultório particular em Curitiba e em consultas domiciliares, ajudando as pessoas a manterem-se saudáveis, com check-ups regulares, orientações e contribuindo no processo de diagnóstico e tratamento da grande maioria dos problemas de saúde.

Escreva um comentário